15.7 C
Canoas
domingo, outubro 24, 2021

Três pilares suportam a inovação em Israel

Must read

Temor de racionamento de energia acelera investimentos na fonte eólica no Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O baixo nível dos reservatórios é o principal tema na pauta do setor de energia. Na prática,...

Geração renovável suporta a demanda de energia no Brasil

A previsão é que a eletricidade gerada pela força dos ventos alcance cerca de 20% de abastecimento da demanda no segundo semestre...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Referência no Brasil, Grupo Cash regulariza nome em até 30 dias

O Grupo Cash é referência no setor de créditos no Brasil e tem todos os métodos para aumento do Score para quem está negativo...

Tema foi alvo da palestra inaugural do Innovation Tech Knowledge 2020 Digital

“Israel tem uma forma diversa de atuar, pois toma o risco junto com o empreendedor”, destacou Alon Lavi, cônsul do país em São Paulo, na abertura do evento que prossegue até a próxima sexta-feira

Alon Lavi, cônsul de Israel em São Paulo, usou a figura de um triângulo para representar como a inovação é tratada no país que é convidado do Innovation Tech Knowledge 2020 Digital (ITK 2020). Lavi (na foto, abaixo à direita) abriu a série de palestras nesta segunda-feira (5) do evento on-line, promovido pela Associação Sul-Riograndense de Apoio ao Desenvolvimento de Software (Softsul). O ITK 2020 poderá ser conferido até a próxima sexta-feira em um ambiente totalmente virtual (acesse a programação completa aqui). 

A base de sustentação está nas universidades. Porém, diferentemente do Brasil, os professores são incentivados a se relacionarem com o mercado, inclusive inscrevendo patentes em seu próprio nome. Israel investe 3,5% do PIB em desenvolvimento tecnológico e também possui um diferencial nesse terreno. “Israel tem uma forma diversa de atuar, pois toma o risco junto com o empreendedor. Ou seja, na eventualidade de um insucesso do negócio, não é preciso que o empresário devolva o dinheiro ao governo. Esse fato evidencia que Israel acredita muito nas pessoas”, destacou Lavi. O terceiro ponto é que existe um sistema muito claro onde quer deseja empreender sabe por onde começar, por exemplo, sem o nó burocrático tão conhecido pelos brasileiros.

Em Israel, todos os jovens aos 18 anos devem servir nas Forças Armadas. Os homens passam ao menos três anos à disposição do Exército, Marinha e Aeronáutica, enquanto as mulheres pelo menos dois. A cibersegurança, aliás, é objeto de estudo no Exército. A Unidade 8200, que também cuida de inteligência, oferece treinamento de elite aos jovens que aprendem a lidar com as mais avançadas tecnologias. A unidade é reconhecida mundialmente por ser um nascedouro de startups. A estimativa é de que mais de mil empresas tenham sido criadas só por ex-integrantes da 8200. A lista inclui nomes de atuação global como Waze, Wix, Check Point (inventora do firewall) e a Mirabilis (criadora o ICQ). Lavi usou a palavra Chutzpah – que deriva da do hebraico ḥutspâ – para dar o tamanho da amplitude que os israelenses dão para a gestão da inovação. “Não temos medo de errar. O fato de errar e aprender com isso, na maioria das vezes, resulta em tecnologias novas. Essa cultura nos ajuda a preservar uma mentalidade que faz com que a inovação naturalmente floresça”, explicou. Hutspâ significa “insolência”, “atrevimento” ou “audácia”.

Lavi destacou a estreita relação entre Brasil e Israel, principalmente em iniciativas envolvendo aportes em inovação e tecnologia. Os dois países fizeram uma Chamada Pública conjunta. Lançada em parceria com a Autoridade Nacional de Inovação Tecnológica do Estado de Israel (IIA), a chamada teve por objetivo selecionar projetos bilaterais de pesquisa, desenvolvimento e inovação industrial desenvolvidos por empresas brasileiras em parceria com israelenses, no âmbito do acordo entre Finep e IIA. A Finep destinou até R$ 3,7 milhões em recursos de subvenção econômica, ou seja, não reembolsáveis, para as empresas brasileiras aprovadas, enquanto a IIA aportou até US$ 1 milhão pelo lado israelense, nas companhias selecionadas daquele país.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Temor de racionamento de energia acelera investimentos na fonte eólica no Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O baixo nível dos reservatórios é o principal tema na pauta do setor de energia. Na prática,...

Geração renovável suporta a demanda de energia no Brasil

A previsão é que a eletricidade gerada pela força dos ventos alcance cerca de 20% de abastecimento da demanda no segundo semestre...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...

Referência no Brasil, Grupo Cash regulariza nome em até 30 dias

O Grupo Cash é referência no setor de créditos no Brasil e tem todos os métodos para aumento do Score para quem está negativo...

Vitória Lais: Expressividade no Tik Tok e Instagram

Após trancar o curso superior de fisioterapia no início da Pandemia de Covid-19, Vitória Lais, de 21 anos, entrou no mercado de digital influencer...