20.1 C
Canoas
quarta-feira, maio 25, 2022

Ismail Kadaré: um possível Nobel

Must read

STJ: Arma branca pode fundamentar majoração da pena-base

Colegiado determinou que, embora não configure mais causa de aumento para o crime de roubo, o emprego de arma branca poderá ser...

Governo admite pagamento de seguro-desemprego a mortos e culpa sistema

O Ministério do Trabalho e da Previdência admitiu que pode ter pagado seguro-desemprego a pessoas que já morreram. A pasta explica...

Mulher acusa pastor durante o culto: “Tinha 16 anos quando você tirou minha virgindade”

No último domingo (22), na cidade norte-americana de Warsaw, no Estado de Indiana, o reverendo John Lowe II disse que tinha uma...

Prefeitura de Canoas elimina 245 criadouros de Aedes aegypti em abril

A equipe de vigilância sanitária de Canoas segue combatendo o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Apenas no mês de abril, foram...

Minha viagem à Albânia foi toda coreografada pelas cenas de “Abril despedaçado”

Livreiros de Paris apostam em Kadaré como sendo o grande favorito a levar o prêmio Nobel de Literatura

De Paris, França

Conversando nesta quarta-feira com quatro livreiros de primeira – Compagnie, L´écume des pages, Librairie Pollonaise, Gibert Jeune –, e uma gerente mais evasiva na L’harmattan, da Rue des Écoles, deles todos ouvi o nome do albanês Ismail Kadaré como sendo o grande favorito a levar o prêmio Nobel de Literatura, que será anunciado nesta quinta-feira às oito horas do Brasil, 13 horas daqui.

A segunda mais votada foi Joyce Carol Oates e houve uma ou outra menção a David Grossman, o que seria uma forma indireta de homenagear Amos Oz e Aharon Appelfeld, expoentes da vibrante literatura israelense, ambos recém falecidos. Todos acharam que o japonês Murakami perdeu o bonde e ninguém citou um autor francês, talvez por pudor.

“O mais provável é que não seja nenhum desses que a gente acha que vai ser”, disse Thibault, da “L´écume”, o mais craque deles. Reiterei minha torcida por Cristóvão Tezza, o azarão brasileiro. No fundo do coração, meu favorito seria Milton Hatoum, mas os dois últimos livros (da trilogia) quebraram o encanto do autor de “Dois irmãos” – um colosso de obra. Oxalá recupere.

Há quem diga no Brasil que Nélida Piñon é quem tem maiores chances e, em se tratando da língua portuguesa, falam também do português Lobo Antunes, um autor que acho que nunca conseguirei ler. Mas aí o problema está em mim, e não nele. Se der Kadaré, fico feliz. Minha viagem à Albânia foi toda coreografada pelas cenas de “Abril despedaçado”.

Amanhã é o dia.

- Advertisement -

More articles

Latest article

STJ: Arma branca pode fundamentar majoração da pena-base

Colegiado determinou que, embora não configure mais causa de aumento para o crime de roubo, o emprego de arma branca poderá ser...

Governo admite pagamento de seguro-desemprego a mortos e culpa sistema

O Ministério do Trabalho e da Previdência admitiu que pode ter pagado seguro-desemprego a pessoas que já morreram. A pasta explica...

Mulher acusa pastor durante o culto: “Tinha 16 anos quando você tirou minha virgindade”

No último domingo (22), na cidade norte-americana de Warsaw, no Estado de Indiana, o reverendo John Lowe II disse que tinha uma...

Prefeitura de Canoas elimina 245 criadouros de Aedes aegypti em abril

A equipe de vigilância sanitária de Canoas segue combatendo o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Apenas no mês de abril, foram...

Influencer Jesse Koz e seu cachorro morrem em acidente de carro nos EUA

O influencer Jesse Kozechen, o Jesse Koz, conhecido nas redes sociais por viajar o mundo com seu cachorro, Shurastey, em um Fusca 1978, morreu na última...