10.8 C
Canoas
sábado, maio 15, 2021

Vitrine de Doria na Prefeitura, muro de vidro da USP está abandonado

Must read

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...

Polícia Militar realiza a operação “Grande ABC mais Seguro” na área do CPA-M6

Foi realizada em 27 de abril de 2021 uma grande Operação Policial na cidade de Santo André, área do 10ª Batalhão Metropolitano, com o...

O muro de vidro que separa a Raia Olímpica da Universidade de São Paulo e a Marginal Pinheiros tem mais de dois quilômetros. O projeto foi uma parceria, sem contrato assinado, entre a USP e a gestão do ex-prefeito e atual governador de São Paulo, João Doria, com pelo menos 44 empresas. De acordo com a estudante Isabel Carvalho, para quem passa pela região é difícil não notar a degradação do espaço. Inaugurado em abril de 2018, o local já teve diversas peças de vidro quebradas ou trincadas, o que levantou a hipótese de que o muro foi alvo de atos de vandalismo. Mas a Secretaria de Segurança Pública afirmou que uma investigação da Polícia Civil não apontou indícios que comprovem a suspeita. A estudante Mayara Ferreira mora no alojamento da USP e contou que a obra nunca foi finalizada — e, em pouco tempo, o muro foi se desfazendo. “É a trepidação da Marginal, eu vi que é porque os caminhões passam e os vidros quebram”, disse. Além disso, outras polêmicas cercam o assunto. O analista de sistemas José Lúcio costuma se exercitar pela região e conta que muitas perguntas sobre o caso ainda estão sem respostas. “A gente percebe que a obra vai paralisada e teve algum problema, mas a comunidade do entorno merece esclarecimentos.”

Segundo a assessoria do governador João Doria, a manutenção do muro da USP continua sendo responsabilidade da Prefeitura. Só que a Prefeitura de São Paulo alega que a obra não é de responsabilidade do município e que foi viabilizada por meio de parcerias entre a USP e a iniciativa privada — mas se coloca à disposição para prestar apoio técnico. Já a USP afirmou que a obra está paralisada no momento em função da pandemia e ainda não tem data pra ser retomada.

*Com informações da repórter Caterina Achutti

- Advertisement -

More articles

Latest article

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...

Polícia Militar realiza a operação “Grande ABC mais Seguro” na área do CPA-M6

Foi realizada em 27 de abril de 2021 uma grande Operação Policial na cidade de Santo André, área do 10ª Batalhão Metropolitano, com o...

Victor Capixaba é o novo reforço do São Caetano

O Centroavante Victor Capixaba de 28 anos, ex jogador do VilaVelhense é o novo reforço do São Caetano-SP. A equipe paulista que recentemente contratou o...