17.2 C
Canoas
quinta-feira, maio 26, 2022

Vitrine de Doria na Prefeitura, muro de vidro da USP está abandonado

Must read

ANS autoriza reajuste máximo de 15,5% em planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou um reajuste de até 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares regulamentados. O anuncio...

STJ: Atentado de menor contra os pais é causa de exclusão da herança

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a 3ª turma do STJ confirmou...

O conselho de Bill Gates

Ao ser questionado por um jovem sobre o que fazer para causar um impacto positivo no mundo, o bilionário Bill Gates respondeu: “Leia um...

Bolsonaro sanciona, com vetos, prorrogação do Pronampe até fim de 2024

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, com um veto, o projeto que altera as regras do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de...

O muro de vidro que separa a Raia Olímpica da Universidade de São Paulo e a Marginal Pinheiros tem mais de dois quilômetros. O projeto foi uma parceria, sem contrato assinado, entre a USP e a gestão do ex-prefeito e atual governador de São Paulo, João Doria, com pelo menos 44 empresas. De acordo com a estudante Isabel Carvalho, para quem passa pela região é difícil não notar a degradação do espaço. Inaugurado em abril de 2018, o local já teve diversas peças de vidro quebradas ou trincadas, o que levantou a hipótese de que o muro foi alvo de atos de vandalismo. Mas a Secretaria de Segurança Pública afirmou que uma investigação da Polícia Civil não apontou indícios que comprovem a suspeita. A estudante Mayara Ferreira mora no alojamento da USP e contou que a obra nunca foi finalizada — e, em pouco tempo, o muro foi se desfazendo. “É a trepidação da Marginal, eu vi que é porque os caminhões passam e os vidros quebram”, disse. Além disso, outras polêmicas cercam o assunto. O analista de sistemas José Lúcio costuma se exercitar pela região e conta que muitas perguntas sobre o caso ainda estão sem respostas. “A gente percebe que a obra vai paralisada e teve algum problema, mas a comunidade do entorno merece esclarecimentos.”

Segundo a assessoria do governador João Doria, a manutenção do muro da USP continua sendo responsabilidade da Prefeitura. Só que a Prefeitura de São Paulo alega que a obra não é de responsabilidade do município e que foi viabilizada por meio de parcerias entre a USP e a iniciativa privada — mas se coloca à disposição para prestar apoio técnico. Já a USP afirmou que a obra está paralisada no momento em função da pandemia e ainda não tem data pra ser retomada.

*Com informações da repórter Caterina Achutti

- Advertisement -

More articles

Latest article

ANS autoriza reajuste máximo de 15,5% em planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou um reajuste de até 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares regulamentados. O anuncio...

STJ: Atentado de menor contra os pais é causa de exclusão da herança

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a 3ª turma do STJ confirmou...

O conselho de Bill Gates

Ao ser questionado por um jovem sobre o que fazer para causar um impacto positivo no mundo, o bilionário Bill Gates respondeu: “Leia um...

Bolsonaro sanciona, com vetos, prorrogação do Pronampe até fim de 2024

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, com um veto, o projeto que altera as regras do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de...

STJ: Arma branca pode fundamentar majoração da pena-base

Colegiado determinou que, embora não configure mais causa de aumento para o crime de roubo, o emprego de arma branca poderá ser...