11.8 C
Canoas
sexta-feira, maio 20, 2022

Skank se despede de Brasília em show desta sexta (6/5)

Must read

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

No final de 2019, Samuel Rosa, Henrique Portugal, Lelo Zaneti e Haroldo Ferretti anunciaram que, após 30 anos, o Skank encerraria as atividades como banda. O grupo providenciou uma turnê para cair na estrada uma última vez, em 2020. Porém, a pandemia travou os planos que retornaram apenas em 2022. Hoje, a agridoce turnê de despedida da banda mineira chega a Brasília com a tarefa de matar as saudades dos fãs enquanto deixam o público na mesma saudade.

“No nosso caso, a pandemia exaltou ainda mais essa sensação de comoção nos shows. Primeiro pelo fato das pessoas estarem voltando aos encontros, as festas, dois anos sem ver shows.Isso tudo potencializa por conta do anúncio da parada, desse encerramento de ciclo”, analisa Samuel Rosa em entrevista ao Correio. O artista afirma que o tempo parado dos shows deu um gás diferente para as últimas apresentações da banda, maior do que eles tinham em 2020. “Talvez se a gente tivesse realizado a turnê em 2020, não seria tão emocionante quanto agora. Porque, estamos juntando duas coisas, a comoção pela parada da banda e a volta dos shows”, pontua.

Samuel Rosa conta que a procura por ingressos mais do que triplicou e que as casas que eles costumavam fazer shows ficaram pequenas para o Skank. “Estamos vivendo algo bem diferente. Muito parecido com a turbinada que as carreiras dos artistas ganhavam quando eles gravavam aqueles acústicos nos anos 1990. Uma espécie de frisson diferente em torno do artista”, conta o vocalista e guitarrista da banda.

Em Brasília, o Skank, que já tocou em casas como Centro de Convenções Ulysses Guimarães e Nilson Nelson e chegou até à Esplanada, viu o show alcançar o Mané Garrincha. “O público de Brasília é muito querido pelo Skank. Nas redes sociais tem aqueles mapeamentos de onde ouvem mais a banda e Brasília está sempre encabeçando, está entre as três cidades que mais escutam Skank”, afirma Samuel. “A gente vai tentar retribuir, ali naquelas duas horas de show, com música, todo o carinho e cumplicidade de tantos anos”, completa.

O cantor diz que o público tem recebido bem o final da banda, mesmo com o misto de sensações que todo o processo traz. “Há um clima de celebração, mas também há certa consternação. As pessoas pedem para que a banda não pare”, conta. Porém, sempre há por parte do público o cuidado com a banda. “Escuto todo tipo de coisa, mas 100% são manifestações carinhosas”, acrescenta.

Por conta desse clamor popular, o Skank promete entregar um show com os maiores sucessos da carreira. “É redundante falar que vamos tocar as músicas mais conhecidas, não incomoda entregar ao público o que ele espera. Afinal de contas, a música é maior que o artista”, adianta o vocalista, que trata essa última turnê como uma homenagem a trajetória da própria banda. “A gente segue referenciando as nossas histórias e celebrando”, complementa.

“Mais do que falar em despedida, eu falo em celebração. Mais do que falar de uma lacuna ou hiato, eu falo em coisas novas”, exalta o vocalista. Para Samuel Rosa a despedida não é um fim definitivo. “A vida não acaba depois do Skank. Os integrantes seguem individualmente após a turnê e a música do Skank continua”, adiciona e faz o convite para o público atender ao show. “Vale a pena esse reencontro. Uma hora derradeira da banda para confirmar todo esse carinho e conexão”, conclui.

Turnê de Despedida Skank

Hoje no Mané Garrincha, abertura dos portões às 20h. Ingressos a partir de R$ 110 na plataforma www.ingresse.com. Não indicado para menores de 18 anos. 

Orquestras de múltiplas facetas

A Orquestra Petrobras retomará as apresentações presenciais, após longaquarentena determinada pela pandemia, com uma turnê pelo país. As apresentações terão início hoje, em Brasília, com dois concertos, sob a regência do maestro Felipe Prazeres, no auditório master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Ambos serão transmitidas on-line para todo o Brasil. Depois o grupo segue para Vitória, Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo.

O primeiro, às 18h30, voltado para as crianças e toda a família, faz parte da série BeBeethoven, para lançamento do álbum Mundo Bita Sinfônico, que reúne 15 canções, como Fazendinha, Viajar pelo Safari e Trem das Estações, com arranjos criados por Ivan Zandonade. Os sons de bichos, apito de trem e outros efeitos característicos das músicas foram criados com os próprios instrumentos da orquestra.

Iniciada em 2020, a parceria entre a Orquestra e o Mundo Bita vem se desdobrando em projetos, plurais,como o lançamento do álbum e dos videoclipes das canções Fundo do mar e Fazendinha. “Com esse concerto voltado para o público infantil, a Orquestra Petrobras Sinfônica apresenta mais uma faceta. Nossa essência é a música de concerto, mas não precisamos estar necessariamente presos a um estilo. Somos uma orquestra que se destaca por mostrar outros lados e tocar diversos repertórios, que alcança, públicos distintos”, explica Prazeres.

Guns N’Roses Sinfônico

Welcome to the jungle, Sweet child O’Minee Patience são alguns dos sucessos do Guns N’ Roses que integram o repertório pop que a Orquestra Petrobras Sinfônica tocará no concerto de hoje, às 21h30, no auditório master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Só que em vez de solos de guitarra, o público ouvirá o violino elétrico de Ricardo Amado, um dos integrantes do grupo. Ele investiu tempo e estudo para fazer com que o violino elétrico atingir os efeitos das guitarras de Slash, músico do Guns.

“Com o concerto dedicado ao Guns N’Roses, a Orquestra se destaca como pioneira em trazer repertórios únicos, mostrando todo seu potencial; e mostra, mais uma vez, que é possível unir música clássica ao pop rock”, ressalta o maestro. “Esse concerto que se transforma num grande show de rock, certamente vai surpreender e emocionar os espectadores de Brasília e também os das outras capitais brasileiras, onde vamos nos apresentar”, acrescenta.

Orquestra Petrobras Sinfônica

Concerto hoje, às 18h30 e 21h30, no auditório master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Para o primeiro, Mundo Bita Sinfònico, ingresso a R$ 20 (meia entrada) ; e para o segundo, Guns N’Roses Sinfônico, R$ 40 (meia-entrada). Classificação indicativa livre.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

 Pastor Rafael Bello está na UTI

A pastora Natália Bello, esposa do pastor Rafael Bello, usou suas redes sociais na noite desta terça-feira (17/05), para informar que ele...