24.2 C
Canoas
sábado, março 6, 2021

Relação com EUA não deve retroceder mesmo com vitória democrata, diz Mourão

Must read

Adultos infectados com a variante identificada em Manaus têm 10 vezes mais vírus no corpo, aponta Fiocruz

Pessoas usando roupas e equipamentos de proteção contra o coronavírus Sars-CoV-2 andam em meio a túmulos de vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora...

Grupo Cash ajuda na regularização do CNPJ; saiba como

O Grupo Cash é referência no setor de créditos no Brasil e tem todos os métodos para aumento do Score para quem está negativo...

16 capitais têm multa para a falta de máscara; são mais de 8 mil punições aplicadas em todo o país

Uso de máscara em locais públicos é obrigatório no Brasil. Objetivo é diminuir a transmissão da Covid-19, que ocorre principalmente pelo ar. Especialista diz...

Gilberto, do BBB21, é aprovado em segundo PhD nos Estados Unidos

Doutorando em Economia, o pernambucano Gilberto Nogueira vai ter mais uma surpresa quando deixar o BBB21. O brother conquistou mais uma bolsa para PhD, na University of California, Davis. A informação...

Apesar do presidente Jair Bolsonaro ter se mostrado nos últimos dias confiante na reeleição de Donald Trump nos EUA, ressaltando que a vitória do republicano seria boa para as relações comerciais e diplomáticas com o Brasil, o discurso dentro do governo é de que a cooperação entre os dois países é histórica e vai muito além do bom relacionamento que Bolsonaro afirma ter com Trump. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que viajaria para a Amazônia com o vice-presidente Hamilton Mourão e embaixadores, vai ficar em Brasília a pedido de Bolsonaro para acompanhar para orientar possíveis conversas que podem acontecer ainda nesta quarta (4).

Mourão garante que a politica ambiental não muda por conta do processo eleitoral no país e foi irônico ao falar sobre o temor existente a alguns setores da sociedade dentro do governo da possiblidade de vitória do candidato democrata. “Parece que se Joe Biden for eleito presidente, na partir da segunda quinzena de janeiro o corpo aéreo americano vai baixar aqui, entrar na Amazônia e mudar tudo o que está acontecendo. Não é assim que vai ocorrer.”

Ao analisar a situação do pais, Mourão ressalta que, passada a eleição, será necessária uma pacificação interna. O vice-presidente ainda lembrou que a relação entre o Brasil e os EUA não deverá sofrer retrocessos. Ele explica, por exemplo, que independente da simpatia ou não que possa existir entre os governantes, a relação entre os dois países é de Estado. Mourão admite problemas, mas, segundo ele, eles podem ser resolvidos. Ele foi além: ressaltou que o governo norte-americano ainda terá que enfrentar divergências com boa parte da Europa.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

- Advertisement -

More articles

Latest article

Adultos infectados com a variante identificada em Manaus têm 10 vezes mais vírus no corpo, aponta Fiocruz

Pessoas usando roupas e equipamentos de proteção contra o coronavírus Sars-CoV-2 andam em meio a túmulos de vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora...

Grupo Cash ajuda na regularização do CNPJ; saiba como

O Grupo Cash é referência no setor de créditos no Brasil e tem todos os métodos para aumento do Score para quem está negativo...

16 capitais têm multa para a falta de máscara; são mais de 8 mil punições aplicadas em todo o país

Uso de máscara em locais públicos é obrigatório no Brasil. Objetivo é diminuir a transmissão da Covid-19, que ocorre principalmente pelo ar. Especialista diz...

Gilberto, do BBB21, é aprovado em segundo PhD nos Estados Unidos

Doutorando em Economia, o pernambucano Gilberto Nogueira vai ter mais uma surpresa quando deixar o BBB21. O brother conquistou mais uma bolsa para PhD, na University of California, Davis. A informação...

Contar o tempo ou calorias gastas?

Foram elencadas pessoas que se alimentavam em média por 15 h por dia. Eles foram divididos em 2 grupos: um grupo que passou a...