11.8 C
Canoas
sexta-feira, maio 20, 2022

Relação com EUA não deve retroceder mesmo com vitória democrata, diz Mourão

Must read

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

Apesar do presidente Jair Bolsonaro ter se mostrado nos últimos dias confiante na reeleição de Donald Trump nos EUA, ressaltando que a vitória do republicano seria boa para as relações comerciais e diplomáticas com o Brasil, o discurso dentro do governo é de que a cooperação entre os dois países é histórica e vai muito além do bom relacionamento que Bolsonaro afirma ter com Trump. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que viajaria para a Amazônia com o vice-presidente Hamilton Mourão e embaixadores, vai ficar em Brasília a pedido de Bolsonaro para acompanhar para orientar possíveis conversas que podem acontecer ainda nesta quarta (4).

Mourão garante que a politica ambiental não muda por conta do processo eleitoral no país e foi irônico ao falar sobre o temor existente a alguns setores da sociedade dentro do governo da possiblidade de vitória do candidato democrata. “Parece que se Joe Biden for eleito presidente, na partir da segunda quinzena de janeiro o corpo aéreo americano vai baixar aqui, entrar na Amazônia e mudar tudo o que está acontecendo. Não é assim que vai ocorrer.”

Ao analisar a situação do pais, Mourão ressalta que, passada a eleição, será necessária uma pacificação interna. O vice-presidente ainda lembrou que a relação entre o Brasil e os EUA não deverá sofrer retrocessos. Ele explica, por exemplo, que independente da simpatia ou não que possa existir entre os governantes, a relação entre os dois países é de Estado. Mourão admite problemas, mas, segundo ele, eles podem ser resolvidos. Ele foi além: ressaltou que o governo norte-americano ainda terá que enfrentar divergências com boa parte da Europa.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

- Advertisement -

More articles

Latest article

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

 Pastor Rafael Bello está na UTI

A pastora Natália Bello, esposa do pastor Rafael Bello, usou suas redes sociais na noite desta terça-feira (17/05), para informar que ele...