18.6 C
Canoas
quinta-feira, agosto 18, 2022

Pastor Tupirani é condenado a 18 anos de prisão por ódio contra judeus

Must read

GNT cancelou série

A série Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, baseada no best-seller de mesmo título de Gustavo Cerbasi, que tinha no elenco entre tantos Kéfera, João Vicente de...

Namorada de Seu Jorge anuncia gravidez do primeiro filho do casal

Karina Barbieri, namorada de Seu Jorge, anunciou que está grávida. No último domingo (14), a empreendedora compartilhou uma sequência de fotos celebrando o dia...

Empresa argentina low cost (preços baixos) pode operar em todo o Brasil

A Flybondi, companhia argentina de low cost, tem planos de operar voos domésticos no Brasil. A empresa já atua no país, mas apenas em...

Armando Babaioff se irrita com fake news sobre acidente

O ator Armando Babaioff, 41, fez uma dura crítica em seu Instagram sobre uma notícia que relatava que ele teria sofrido um grave acidente....

A Justiça Federal condenou o pastor Tupirani da Hora Lopes, líder da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo, a 18 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de racismo e ódio contra judeus.

A ação foi movida pela Confederação Israelita do Brasil (Conib) e pela Federação Israelita do Rio de Janeiro (Fierj). O religioso foi preso em 24 de fevereiro deste ano pela Operação Rófesh.

Segundo a denúncia apresentada contra Tupirani no Ministério Público, ele teria praticado, induzido e incitado a discriminação contra pessoas judias ou israelitas. Os crimes teriam sido cometidos através de publicações de vídeos e mensagens em canais do YouTube ou perfis e redes sociais.

O pastor teria feito discurso de ódio e violência contra judeus em diversas ocasiões. Ele chegou a declarar que os judeus “mereceram passar por um massacre”.

Em outra ocasião, o religioso afirmou que o “anjo da morte” deveria chegar para os judeus. Ele também fez referências ao holocausto e ao desejo de morte dos membros da comunidade em seus discursos para os fiéis na igreja.

A juíza Valéria Caldi Magalhães, da 8ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, considerou que “o réu se valeu de sua condição de pastor de uma comunidade religiosa para a prática do crime, o que incrementa o potencial de induzir os seguidores a agir de modo similar”.

A defesa pediu a substituição da pena privativa de liberdade, mas foi negada pela Justiça. “É incabível, pois o total de pena final supera os quatro anos, além de serem desfavoráveis as circunstâncias judiciais”, diz a decisão de Valéria, a qual o Metrópoles teve acesso.

De acordo com a Conib (Confederação Israelita do Brasil), trata-se da maior pena aplicada no Brasil por esse tipo de crime.

O início de cumprimento da pena será o fechado, seja pela quantidade de pena aplicada, ou seja porque as circunstâncias judiciais são altamente desfavoráveis ao réu. A recomendação é para que o ingresso seja no sistema de execução pelo regime mais gravoso.

- Advertisement -

More articles

Latest article

GNT cancelou série

A série Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, baseada no best-seller de mesmo título de Gustavo Cerbasi, que tinha no elenco entre tantos Kéfera, João Vicente de...

Namorada de Seu Jorge anuncia gravidez do primeiro filho do casal

Karina Barbieri, namorada de Seu Jorge, anunciou que está grávida. No último domingo (14), a empreendedora compartilhou uma sequência de fotos celebrando o dia...

Empresa argentina low cost (preços baixos) pode operar em todo o Brasil

A Flybondi, companhia argentina de low cost, tem planos de operar voos domésticos no Brasil. A empresa já atua no país, mas apenas em...

Armando Babaioff se irrita com fake news sobre acidente

O ator Armando Babaioff, 41, fez uma dura crítica em seu Instagram sobre uma notícia que relatava que ele teria sofrido um grave acidente....

Ex-marido de Britney Spears é condenado a dois meses de prisão após perseguição

Após ter invadido o casamento de Britney Spears e Sam Asghari, em junho, Jason Alexander, segundo ex-marido da cantora, foi condenado na última semana...