27.8 C
Canoas
sábado, dezembro 3, 2022

Pastor é denunciado por associar orixás à violência armada em clipe

Must read

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Gleisi defende PEC da Transição para 4 anos: “Não pode ser no soluço”

O PT quer que a PEC da Transição estipule o prazo de quatro anos para o Bolsa Família ficar fora da regra do teto...

O pastor evangélico que compôs uma música que associa orixás à violência nas periferias, foi denúnciado ao Ministério Público da Bahia (MP-BA), por supostamente cometer intolerância religiosa.

Lideranças religiosas de matriz africana e povos de axé se sentiram ofendidos e assionaram o MP. Intitulada “Pra Trás da Cruz”, a música é do pastor Irmão Júlio e o clipe simula uma guerra de tráfico e violência armada em uma comunidade da capital baiana.

Além dos nomes de bairros Salvador, a letra da música cita os orixás em contraponto à presença da religião cristã e do neopentecostalismo na Bahia.

“Dizem que a Bahia é de todos os santos, mas não é verdade, ela é do Espírito Santo”; “Não tem Oxumaré e nem Exu Caveira, meu Deus manda em São Tomé e também lá na Engomadeira. Pra trás da cruz, eu profetizo que a Bahia é de Jesus”, são alguns dos trechos da música.

O caso foi registrado em delegacia que investiga o crime de racismo religioso. O pastor gravou um vídeo em que diz que “não tem nada contra” os povos de matrizes africanas.

No vídeo gravado posteriormente, ele não pede desculpas à comunidade religiosa, e alega que a ofensa não foi intencional.

“Eu sou o compositor, eu produzi o clipe, e assumo toda a responsabilidade. Quero deixar bem claro ao pessoal de matriz africana, que eu não tenho nada contra eles e, jamais, a minha intenção foi de atingir o pessoal de matriz africana”, diz ele no vídeo.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Gleisi defende PEC da Transição para 4 anos: “Não pode ser no soluço”

O PT quer que a PEC da Transição estipule o prazo de quatro anos para o Bolsa Família ficar fora da regra do teto...

Pastor é preso após mentir que sócio era estuprador e encomendar a morte dele

Um pastor e policial militar aposentado, identificado como Josselice, líder de uma igreja de Goiânia (GO), foi preso nesta segunda-feira (21/11), suspeito de encomendar a morte...