14.1 C
Canoas
segunda-feira, agosto 8, 2022

Menina de 11 anos grávida após ser estuprada consegue fazer aborto legal

Must read

Caixa divulga calendário de pagamento de benefícios a caminhoneiros e taxistas

A Caixa vai iniciar o pagamento do Benefício Caminhoneiro e do Benefício Taxista este mês. Os auxílios serão creditados em conta poupança social digital...

Ex-BBB é acusado de vazar vídeo íntimo de modelo

A modelo Natasha Steffens, de 20 anos, que produz conteúdo para uma plataforma adulta, teve suas fotos e vídeos íntimos vazados na última e decidiu...

Brad Pitt revela que só ficou sóbrio após o divórcio de Angelina Jolie

O ator Brad Pitt fez várias revelações em uma entrevista recente. Uma delas foi o seu problema com o álcool. O galã contou que...

Miss Universo muda regras e passa a aceitar mulheres casadas, divorciadas, grávidas e mães

O Miss Universo anunciou uma mudança importante em suas regras e, a partir de agora, passará a aceitar entre as participantes mulheres casadas, divorciadas, grávidas e...

A menina de 11 anos, que teve o direito ao aborto legal negado em Santa Catarina, conseguiu realizar o procedimento nesta quarta-feira (23/6), segundo o Ministério Público Federal (MPF). O procedimento foi feito no Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago, em Florianópolis, após recomendação do MPF. A mesma unidade tinha negado fazer o aborto na menina por ela estar com 22 semanas de gestação. No entanto, a legislação brasileira não estabelece período máximo para a realização do procedimento em caso de violência sexual. 

A recomendação do MPF exigia uma resposta em até 24 horas. “O hospital comunicou ao MPF, no prazo estabelecido, que foi procurado pela paciente e sua representante legal e adotou as providências para a interrupção da gestação da menor”, diz nota. No entanto, o MPF disse que o hospital não se comprometeu a atender todos os casos de abortamento legal. “O procedimento (aborto) foi realizado ontem à noite pelo HU. Porém, a Recomendação do MPF era pra que todos os casos de abortamento legal fossem atendidos de acordo com as normas, o que o HU não garantiu que irá fazer. Por isso, o MPF estuda que medidas adotar para que os demais pacientes que também tem direito ao abortamento legal sejam atendidos.” 

Vítima de estupro, a menina descobriu a gestação quando estava com 22 semanas. O hospital exigiu, então, uma decisão judicial para fazer o aborto. No Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), a menina foi incentivada a desistir do procedimento pela juíza Joana Ribeiro Zimmer. O caso ganhou repercusão nacional depois de uma reportagem do jornal The Intercept Brasil. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou que está apurando a conduta da juíza.

A criança estava sendo mantida em um abrigo por decisão da juíza desde 1° de junho. A intenção era manter ela longe do agressor e impedir que ela fizesse o aborto. Na terça-feira (21/6), uma decisão da justiça autorizou que ela voltasse a morar com a mãe.

O aborto legal é permitido no Brasil em três situações: quando a gestação é resultado de violência sexual, quando há risco para a vida da gestante e quando o feto é anencéfalo. Nenhuma das hipóteses é condicionada a um período de gestação específico e não é preciso decisão judicial para que seja feito.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Caixa divulga calendário de pagamento de benefícios a caminhoneiros e taxistas

A Caixa vai iniciar o pagamento do Benefício Caminhoneiro e do Benefício Taxista este mês. Os auxílios serão creditados em conta poupança social digital...

Ex-BBB é acusado de vazar vídeo íntimo de modelo

A modelo Natasha Steffens, de 20 anos, que produz conteúdo para uma plataforma adulta, teve suas fotos e vídeos íntimos vazados na última e decidiu...

Brad Pitt revela que só ficou sóbrio após o divórcio de Angelina Jolie

O ator Brad Pitt fez várias revelações em uma entrevista recente. Uma delas foi o seu problema com o álcool. O galã contou que...

Miss Universo muda regras e passa a aceitar mulheres casadas, divorciadas, grávidas e mães

O Miss Universo anunciou uma mudança importante em suas regras e, a partir de agora, passará a aceitar entre as participantes mulheres casadas, divorciadas, grávidas e...

Caso Kiss: Desembargador chama advogado de “toupeira”

"A OAB/RS vem a público manifestar seu repúdio acerca dos comentários proferidos durante sessão de julgamento de recursos do caso da Boate...