11.8 C
Canoas
sexta-feira, maio 20, 2022

“Me senti humilhado”, diz jovem vítima de racismo por grupo de amigas

Must read

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga um vídeo em que um grupo de amigas faz ofensas racistas contra o estudante de odontologia Matheus Antunes Silva, de 26 anos. A postagem foi postada nos stories do Instagram, pela função de melhores amigos, no domingo (24/4). Morador do Gama, ao saber do vídeo, Matheus registrou um Boletim de Ocorrência. “Para resumir, eu me senti humilhado. Fiquei com raiva, fiquei com vergonha, triste. Foram vários sentimentos ao mesmo tempo. É difícil dizer. Conversei com os meus amigos. Todo mundo ficou bem triste”, afirma. 

O vídeo foi gravado em um campeonato de futevôlei no Gama e começa com a dona do perfil gravando ela mesma. Do lado de uma amiga, elas repassam alguns nomes. “Cerqueira, neguim e o vitinho”. Uma amiga fala “Negão nem falou com a gente ontem, viu”, diz uma amiga. Quando a dona do perfil diz “Nossa, negão ele é atirado, é preto e ainda fica tirando os outros de tempo”. Em seguida a amiga completa: “Não passa um desodorante”, e as meninas sorriem. A jovem excluiu o perfil da rede social após a repercussão do caso. 

Matheus explicou que conhece as meninas de lugares e amigos em comum e que acredita que elas se referem a alguma vez que conversou com elas. “Estou bem melhor, mas ainda estou meio triste. Estou retomando minha vida aos pouquinhos, graças a Deus”, diz. O estudante também aproveita para agradecer as pessoas que o apoiaram. “Recebi muito apoio da minha mãe, de toda a minha família, principalmente, do meu primo Guilherme Antunes e do meu amigo Talison Menezes”, destaca. 

Correio tentou entrar em contato com as jovens, mas as redes sociais delas foram excluídas. O espaço segue aberto para manifestações.

A injúria racial é crime previsto no Código Penal e ocorre quando há ofensa à dignidade de alguém, com base em elementos referentes à sua raça, cor, etnia, religião, idade ou deficiência. A pena pode ser de um a três anos e multa.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Gkay estipula gasto de R$ 8 mi na Farofa: “Rock in Rio fora de época”

A influencer Gessica Kayane, mais conhecida como Gkay, revelou que deve gastar cerca de três vezes mais na edição da Farofa deste ano....

Câmara aprova MP que regulamenta ensino domiciliar

A Câmara aprovou na noite de na quarta-feira (18) o texto-base do projeto de lei (PL) 3.179 de 2012, que regulamenta a prática da...

Pastor acusado de aplicar golpe de 10 milhões está foragido

Um pastor é acusado de aplicar um golpe imobiliário no estado de Santa Catarina. De acordo com as investigações, o prejuízo pode...

Reinfecção de Covid se tornou mais comum com Ômicron, afirma estudo

Um estudo feito na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, traz evidências de que a variante Ômicron do coronavírus é capaz de provocar reinfecções...

 Pastor Rafael Bello está na UTI

A pastora Natália Bello, esposa do pastor Rafael Bello, usou suas redes sociais na noite desta terça-feira (17/05), para informar que ele...