18.6 C
Canoas
quinta-feira, agosto 18, 2022

Má avaliação de Bolsonaro permanece alta, aponta pesquisa do Ipespe

Must read

GNT cancelou série

A série Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, baseada no best-seller de mesmo título de Gustavo Cerbasi, que tinha no elenco entre tantos Kéfera, João Vicente de...

Namorada de Seu Jorge anuncia gravidez do primeiro filho do casal

Karina Barbieri, namorada de Seu Jorge, anunciou que está grávida. No último domingo (14), a empreendedora compartilhou uma sequência de fotos celebrando o dia...

Empresa argentina low cost (preços baixos) pode operar em todo o Brasil

A Flybondi, companhia argentina de low cost, tem planos de operar voos domésticos no Brasil. A empresa já atua no país, mas apenas em...

Armando Babaioff se irrita com fake news sobre acidente

O ator Armando Babaioff, 41, fez uma dura crítica em seu Instagram sobre uma notícia que relatava que ele teria sofrido um grave acidente....

A má avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição em outubro, permanece alta, de acordo com a pesquisa Ipespe de julho, divulgada nesta segunda-feira (25/7). Declararam considerar o governo ruim ou péssimo 49% dos entrevistados, contra 32% que o consideraram bom ou ótimo; e 18% de avaliação regular.

A pesquisa Ipespe retrata cenário muito semelhante à da pesquisa FSB/BTG Pactual, também divulgada hoje, em que não foram registradas variações, no eleitorado, decorrentes da aprovação do auxílio emergencial de R$ 600,00 nem com a entrada em vigor das medidas contempladas pela PEC dos Combustíveis.

O percentual de respostas “ruim ou péssimo” para o governo Bolsonaro, em julho, representa uma queda de apenas 1 ponto percentual em relação à pesquisa de junho, variação dentro da margem de erro. Na ponta oposta, o percentual de “ótimo+bom” subiu na mesma proporção, de 1 p.p. Não souberam ou não responderam somaram apenas 1% das respostas.

A mesma variação foi registrada pelo instituto em relação à aprovação do governo Bolsonaro: 59% declararam desaprovar (-1 p.p. na comparação com junho) e 36% disseram aprovar o governo do presidente (+1 p.p.).

Outros dados

O instituto apurou que 44% dos entrevistados “votariam com certeza” em Lula; enquanto 43% “não votariam de jeito nenhum”, e 11% “poderiam votar” no ex-presidente.
Com relação a Bolsonaro, 58% não votariam de jeito nenhum no presidente; 34% votariam com certeza; e 8% admitiram que poderiam votar.

Em Ciro Gomes, votariam com certeza 12% dos entrevistados; 40% declararam que não votariam de jeito nenhum; e 41 responderam que poderiam votar.

Simone Tebet enfrenta o desconhecimento de parte do eleitorado e a rejeição de outra parte significativa: 33% declararam que não conhecem a senadora do MDB e 35% garantiram que não votariam nela de jeito nenhum. Ela teria voto de 6% dos entrevistados, enquanto 24% disseram que “poderiam votar” na senadora.

Rejeição feminina

No recorte por gênero, Lula e Bolsonaro tem percentuais semelhantes entre os eleitores homens, mas a Bolsonaro enfrenta forte rejeição entre as mulheres, o que dá ao adversário petista a vantagem que mantém nas pesquisas de intenção de votos.

Lula é o preferido para assumir a Presidência por 48% das mulheres entrevistadas, contra 30% que declararam apoio a Bolsonaro. Entre os homens, Bolsonaro está numericamente à frente, mas empata com Lula dentro da margem de erro: 41% a 39%, respectivamente.

Outros recortes

Lula venceria Bolsonaro com folga entre o eleitorado de 16 a 35 anos de idade (50% a 27%, respectivamente); e empataria na margem de erro entre os eleitores com mais de 35 anos.

Em relação à escolaridade, Lula tem quase o dobro das intenções de voto de Bolsonaro entre o eleitorado com ensino fundamental (50% a 27%); e empata entre os eleitores com ensino médio (40% a 40%) e superior (39% a 40%).

Lula é o preferido por ampla maioria entre quem ganha até 1 salário mínimo (51% a 28%); e empata com o presidente na margem de erro na faixa entre 2 e 5 salários mínimo (38% a 39%). Bolsonaro vence o petista entre quem ganha mais de 5 s.m. (46% a 38%).

Por regiões, a maior diferença de Lula para Bolsonaro está no Nordeste (57% a 25%, respectivamente). No Sudeste, o petista também venceria (41% a 36%). Bolsonaro ganharia no Sul (46% a 33%). Os dois empatam (na margem de erro) no consolidado Norte/Centro-Oeste (Bolsonaro com 41%, e Lula com 40%).

O Ipespe apurou ainda que Bolsonaro é o preferido dos eleitores evangélicos (47% a 36%), enquanto Lula venceria entre os católicos (43% a 34%) e em outras religiões (54% a 25%).

A pesquisa Ipespe foi feita entre 20 a 22 de julho, com 2 mil entrevistados por telefone, e intervalo de confiança de 95,5%.

- Advertisement -

More articles

Latest article

GNT cancelou série

A série Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, baseada no best-seller de mesmo título de Gustavo Cerbasi, que tinha no elenco entre tantos Kéfera, João Vicente de...

Namorada de Seu Jorge anuncia gravidez do primeiro filho do casal

Karina Barbieri, namorada de Seu Jorge, anunciou que está grávida. No último domingo (14), a empreendedora compartilhou uma sequência de fotos celebrando o dia...

Empresa argentina low cost (preços baixos) pode operar em todo o Brasil

A Flybondi, companhia argentina de low cost, tem planos de operar voos domésticos no Brasil. A empresa já atua no país, mas apenas em...

Armando Babaioff se irrita com fake news sobre acidente

O ator Armando Babaioff, 41, fez uma dura crítica em seu Instagram sobre uma notícia que relatava que ele teria sofrido um grave acidente....

Ex-marido de Britney Spears é condenado a dois meses de prisão após perseguição

Após ter invadido o casamento de Britney Spears e Sam Asghari, em junho, Jason Alexander, segundo ex-marido da cantora, foi condenado na última semana...