21.6 C
Canoas
quarta-feira, novembro 30, 2022

Em reunião, diretor da CIA aconselha Bolsonaro a não interferir nas eleições

Must read

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Gleisi defende PEC da Transição para 4 anos: “Não pode ser no soluço”

O PT quer que a PEC da Transição estipule o prazo de quatro anos para o Bolsa Família ficar fora da regra do teto...

William Burns, diretor da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, teria aconselhado integrantes do governo a pedirem ao presidente Jair Bolsonaro (PL) que pare de levantar dúvidas sobre a integridade do sistema eleitoral do Brasil.

Nas informações, obtidas por duas fontes em condição de anonimato da Reuters, Burns falou às autoridades em uma reunião fechada ocorrida em julho do ano passado. O encontro teria ocorrido em Brasília, mas a viagem não estava prevista na agenda oficial dele.

O diretor da agência teria jantado com o ministro-chefe do Gabinete Institucional, o general Augusto Heleno, e o ministro de Estado Chefe da Secretaria-Geral da Presidência, general Luiz Eduardo Ramos, a quem teria dito que o processo eleitoral é sagrado e o presidente não deveria atacar como estava fazendo.

Antes disso, Burns também teria se encontrado com Bolsonaro, Heleno e o então diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem.

Ainda de acordo com a agência, uma terceira pessoa que também pediu sigilo, baseada em Washington, confirmou os comentários, mas disse não ter certeza se quem falou foi Burns ou outro integrante da comitiva.

A reportagem do Correio entrou em contato com a Secom da presidência da República e com a Embaixada dos EUA e aguarda resposta.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Elirio Dambros fala sobre prós e contras do uso de fraldas descartáveis

Que as fraldas descartáveis vieram para facilitar a vida dos pais, disso ninguém tem dúvida. No entanto, ainda se investiga os impactos causados pelo seu uso na saúde...

Olhar empático: executivo do mercado cripto investe pesado em incentivo ao esporte no país

Clélio Cabral é gerente da gestora de criptoativos Braiscompany e segue os passos do CEO da empresa, Antonio Neto Ais que também é destaque...

Reclusa após abandonar a TV, Ana Paula Arósio ressurge com novo visual

Atriz decidiu deixar a carreira há cerca de 12 anos, quando desistiu de protagonizar uma novela da TV Globo em horário nobre Longe dos holofotes...

Gleisi defende PEC da Transição para 4 anos: “Não pode ser no soluço”

O PT quer que a PEC da Transição estipule o prazo de quatro anos para o Bolsa Família ficar fora da regra do teto...

Pastor é preso após mentir que sócio era estuprador e encomendar a morte dele

Um pastor e policial militar aposentado, identificado como Josselice, líder de uma igreja de Goiânia (GO), foi preso nesta segunda-feira (21/11), suspeito de encomendar a morte...