16.8 C
Canoas
sábado, outubro 16, 2021

Após acordo, placa que mostrava centro de tortura durante a Ditadura Militar em Porto Alegre será recolocada

Must read

Renova Energia recebe Licença Prévia do Inema para empreendimentos eólico e solar na Bahia

Localizado no centro-oeste do Estado o projeto será composto por 14 parques eólicos que juntos somam 576 MW de potência

Renova Energia focará sua atuação na geração eólica e possui 5 GW em projetos

São Paulo, setembro de 2021 – A fonte eólica possui 19,1 GW de capacidade instalada no Brasil e todo este volume abastece quase...

Projota apaga todos os posts do Instagram e dispara: “Momento mais turbulento”

O cantor já vinha afastado das redes sociais nas últimas semanas, mas surpreendeu os fãs ao excluir todas as imagens do seu Instagram. Aos...

Chico Buarque passa por cirurgia em hospital no Rio

Foto: Reprodução/Internet Aos 77 anos, o artista passou por uma cirurgia na coluna que durou cerca de seis horas e está, no momento, em recuperação...


Imóvel conhecido como ‘Dopinho’ foi alugado por militares e serviu como centro clandestino de repressão. Placa foi coberta por cimento este ano. Inquérito do Ministério Público corre em sigilo. Placa foi retirada e espaço foi concretado na frente do local onde funcionou o “Dopinho”, em Porto Alegre
Agência RBS/André Ávila
Após acordo com o Ministério Público do RS, uma placa removida da calçada de um imóvel alugado pelos militares para funcionar como centro clandestino de repressão durante a Ditadura Militar, em Porto Alegre, terá que ser recolocada.
Os proprietários do imóvel, que ficou conhecido como “Dopinho” [em alusão ao Departamento de Ordem Política e Social — Dops], haviam removido a peça e concretado o pedaço da calçada onde ela havia sido instalada, em 2015. A audiência com o MP foi na última quinta-feira (29), e foram concedidos 100 dias de prazo para a recolocação.
Segundo o MP-RS, será produzida uma nova placa, com os mesmos dizeres. Leia o texto completo da placa mais abaixo.
O acordo foi firmado pela promotora do Meio Ambiente de Porto Alegre, Ana Marchesan. Segundo ela, os proprietários alegaram que um idoso quase se machucou ao passar pelo local, devido a avarias na placa. O imóvel, explica a promotora, é inventariado, e qualquer modificação na placa deveria ter sido comunicada previamente.
Um inquérito foi aberto após a constatação da retirada da placa, em junho deste ano, pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos. A pedido dos proprietários do imóvel, a investigação está sob sigilo.
Peça marca local onde torturas e prisões aconteceram entre 1964 e 1966, no início da Ditadura Militar
Reprodução/Grupo por Verdade e Justiça
Texto da placa
“Primeiro centro clandestino de detenção do Cone Sul. No numero 600 da rua Santo Antônio, funcionou estrutura paramilitar para sequestro, interrogatório, tortura e extermínio de pessoas ordenados pelo regime militar de 1964. O major Luiz Carlos Menna Barreto comandou o terror praticado por 28 militares, policiais, agentes do Dops e civis, até que apareceu no Guaíba o corpo com as mãos amarradas de Manoel Raimundo Soares, que suportou 152 dias de tortura, inclusive no casarão. Em 1966, com paredes manchadas de sangue, o Dopinho foi desativado e os crimes ali cometidos ficaram impunes.”
Marcas da Memória
A placa removida marca a existência do considerado primeiro centro clandestino de repressão, instaurado pela Ditadura Militar logo após abril de 1964. O imóvel, na Rua Santo Antônio, bairro Floresta, foi alugado e, depois, devolvido aos proprietários.
O local foi listado pelo projeto Marcas da Memória, realizado pelo Movimento de Justiça e Cidadania juntamente com a Prefeitura de Porto Alegre.
Outros endereços que registraram ações de repressão, como o Palácio da Polícia e a Cadeia Pública de Porto Alegre, além de quartéis e prisões pelo estado, receberam as placas. A placa do “Dopinho”, no entanto, é a única em um local de propriedade privada.
“O ‘Dopinho’ é central porque demonstra que, desde o primeiro momento, o regime esteve organizado a partir do terrorismo de estado”, explica a professora de História da PUC-RS, Tatyana Maia. “Vai ser o primeiro centro clandestino na América do Sul, onde vários tipos de tortura aconteceram. Vai inaugurar um modelo de atuação dessa polícia clandestina”, complementa.
A professora acredita que a remoção da placa esteja relacionada a um processo de negacionismo dos crimes cometidos pelos militares durante o período.
“Na tentativa de negar que a tortura foi sistemática, que os desaparecimentos e perseguições marcam período muito violento. Essa placa não é dos familiares, dos presos ou dos grupos de Direitos Humanos. Ela responde à demanda societária maior que é a defesa dos direitos humanos”, defende Tatyana.
O caso das mãos amarradas
O ‘Dopinho’ foi fechado em setembro de 1966 após a descoberta do assassinato do sargento Manoel Raimundo Soares, que ficou conhecido como “caso das mãos amarradas”, como conta Jair Krischke, fundador e presidente do Movimento por Justiça e Direitos Humanos.
“Ele se opôs à ditadura. Fazia parte de um grupo que veio a Porto Alegre para iniciar um movimento da resistência. Foi preso em 1966 e, em agosto, desaparece. O corpo aparece boiando no Rio Jacuí”, narra Krischke.
O governo estadual da época nomeou uma comissão para investigar a morte de Soares. O inquérito levou à descoberta do ‘Dopinho’, onde majores, delegados de polícia e pessoas que se infiltraram no movimento estudantil atuavam em favor da Ditadura Militar.
“Não se sabia até então o que tinha lá. E aí ficou desvendado que ali tinha funcionado algo clandestino na repressão”, comenta.
A criação de centros clandestinos como o ‘Dopinho’ se disseminou por outras capitais e também foi adotada por ditaduras da América Latina, diz Krischke. A inspiração para o sistema veio das táticas de guerra francesa, usando a tortura para obter informações e derrotar inimigos.
Jair diz que a família resistiu à instalação da placa, em 2015. Ele não acredita na hipótese de retirada devido ao trânsito no local. “Criaram essa história pra justificar o injustificável”, afirma.
Confira os destaques do G1 RS:

- Advertisement -

More articles

Latest article

Renova Energia recebe Licença Prévia do Inema para empreendimentos eólico e solar na Bahia

Localizado no centro-oeste do Estado o projeto será composto por 14 parques eólicos que juntos somam 576 MW de potência

Renova Energia focará sua atuação na geração eólica e possui 5 GW em projetos

São Paulo, setembro de 2021 – A fonte eólica possui 19,1 GW de capacidade instalada no Brasil e todo este volume abastece quase...

Projota apaga todos os posts do Instagram e dispara: “Momento mais turbulento”

O cantor já vinha afastado das redes sociais nas últimas semanas, mas surpreendeu os fãs ao excluir todas as imagens do seu Instagram. Aos...

Chico Buarque passa por cirurgia em hospital no Rio

Foto: Reprodução/Internet Aos 77 anos, o artista passou por uma cirurgia na coluna que durou cerca de seis horas e está, no momento, em recuperação...

Lady Gaga recusou Rock in Rio, diz Roberto Medina

Após o adiamento causado pela pandemia, o Rock in Rio será realizado no ano que vem e está surpreendendo o público com os artistas...