16.2 C
Canoas
domingo, maio 16, 2021

Acusado de corrupção no São Paulo não paga dívida de R$ 395 mil, e cassino de Las Vegas vai à Justiça

Must read

Quais são as razoes para a falta de Containers no transporte marítimo e qual a solução ? Comenta o CEO da GES Logistics Frederico...

Redução natural do numero de containers disponíveis com a diminuição do comercio Global. Portos congestionados que afeta a rapidez na circulação dos containers disponíveis no...

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...
Avatar

O Wynn Las Vegas, hotel e cassino norte-americano, passa por novos problemas por inadimplemento de pessoas ligadas ao futebol brasileiro. Após ser obrigado a procurar a Justiça contra o técnico Vanderlei Luxemburgo, em 2015, o local agora acionou os tribunais brasileiros contra Alan Cimerman, ex-gerente de marketing do São Paulo: demitido por justa causa acusado pelo clube de corrupção.

O estabelecimento alega, em ação que corre na 16ª Vara Cível e está nas mãos da juíza Paula da Rocha e Silva Formoso, que o ex-dirigente tricolor emitiu nota promissória no valor de US$ 125 mil (cerca de R$ 395 mil), com vencimento em 30 de janeiro de 2015, mas jamais quitou a dívida.

Cimerman reconhece que fez a dívida, mas que ela foi feita para o pagamento de um show. E que ela já estaria quitada.

O Wynn informou ao Poder Judiciário de São Paulo que a nota foi emitida em Las Vegas, Nevada (EUA), em dólares americanos, tendo como praça de pagamento a cidade de São Paulo. Contudo, Alan Cimerman não honrou com o adimplemento integral do título na data do vencimento, informou o cassino.

Assim como já havia feito em 2015, quando enfrentou problemas por falta de pagamento de R$ 430 mil de Luxemburgo, hoje no Sport, o cassino americano contratou advogados no Brasil e encaminhou cópias dos documentos assinados  por Alan Cimerman quando passou pelo local, em 1 de novembro de 2014.

O Wynn fica em Las Vegas, Nevada, Estados Unidos, sendo conhecido como um dos mais caros e luxuosos cassinos da região, além de ter um dos mais caros hotéis da cidade norte-americana. O cassino é um de seus carros-chefes e oferece noitadas de pôquer com premiações na faixa de 25 mil dólares diários.

O local acrescentou, em petição enviada à Justiça dia 12 de julho do ano passado, que tentou várias vezes acordo com Alan Cimerman, em vão. O ex-dirigente foi contratado pelo time do Morumbi em 2015 e demitido na semana passada por justa causa.

Cimerman foi mandado embora depois de o clube acusar problemas de corrupção envolvendo o então dirigente e a venda de ingressos para show da banda U2. O clube acusa Alan de repassar ingressos de camarotes bloqueados a laranjas para revenda e recebimento de dinheiro. O ex-gerente nega as acusações.

No processo, inclusive, Cimerman pediu liminar para que a Justiça fizesse o desbloqueio de sua conta bancária. No dia 9 de novembro do ano passado, ele usou o São Paulo Futebol Clube como forma de argumentação, dizendo que o time do Morumbi é a empresa destacada em seu holerite que paga seu salário.

Isso ocorreu após a juíza Jacira Jacinto da Silva emitir decisão exigindo a citação de Alan Cimerman e obrigando a penhora dos bens do acusado para o caso de não pagamento de dívida.

Em outra parte do processo,  Alan Cimerman diz que “possui diversos processos judiciais em andamento em virtude do trabalho realizado para o Comitê Organizador da Copa do mundo Fifa 2014 para a realização das cerimônias de abertura e encerramento da Copa do Mundo Fifa 2014, cujo pagamento final não recebeu até hoje”. Segundo verificou a reportagem, o ex-gerente tricolor enfrenta problemas em processos judiciais que, somados, ultrapassam R$ 1,5 milhão

Na decisão mais recente da Justiça, a juíza Paula da Rocha e Silva Formoso definiu a penhora de quotas ou ações da empresa Spirit Comunicação, em nome de Alan Cimerman. O despacho é do último dia 6 de junho.

No dia 11 de julho, a magistrada pediu que o Wynn providenciasse os meios para intimação da empresa executada sobre tal decisão. Isso foi feito dois dias depois.

No dia 18 do mesmo mês, a juíza pediu que fosse expedida carta de intimação para que um oficial de Justiça intime a Spirit Comunicação sobre a penhora. O documento foi enviado, mas ainda não encontrou o destinatário.

OUTRO LADO

Procurado pela reportagem, Alan Cimerman disse: “Acho que a informação de vocês está errada. Não é dívida de cassino, e sim de um show. Que já foi paga e resolvida”.

A reportagem pediu pelo envio de um comprovante do pagamento, já que esse suposto pagamento não existe no processo que está na Justiça, é público e eletrônico. O ex-dirigente enviou a foto de metade de um documento, que sequer cita o nome do Wynn. Foi solicitado pela documentação completa, mas ele parou de responder às mensagens.

Ainda por mensagem, apesar de ter dito que não era nada relativo a um cassino, se contradisse e afirmou: “Não é dívida de cassino, e sim o show do cassino, que foi resolvido, referente à Copa do Mundo”, apontou. “Era pela contratação de um show. Concepção e criação de um show. Faltou um último pagamento e já foi feito mês passado”, continuou. A reportagem rebateu dizendo novamente que isso não consta no processo público, que é eletrônico e atualizado diariamente, e foi solicitado pelo envio do comprovante que ele alega ter, mas mais uma vez o ex-dirigente não enviou.

A reportagem acrescenta que o Wynn Las Vegas entrou na Justiça do Brasil no dia 12 de julho de 2016, dois anos depois do fim da Copa do Mundo 2014. E a nota promissória assinada por Alan Cimerman, conforme mostra documento acima, é do fim de 2014, também meses após o término do Mundial.

O ex-dirigente confirmou que é o dono da Spirit Comunicação, que teve as contas e ações bloqueadas pela Justiça, conforme também mostrou a matéria acima.

A reportagem procurou dois advogados que respondem por Cimerman, um chamado Daniel Bialski e outro identificado apenas como “doutor Tomás”. O primeiro não atendeu aos telefonemas, enquanto o segundo disse que “não está autorizado a falar sobre o assunto”. Já representantes do Wynn também pediram para não dar entrevista.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Quais são as razoes para a falta de Containers no transporte marítimo e qual a solução ? Comenta o CEO da GES Logistics Frederico...

Redução natural do numero de containers disponíveis com a diminuição do comercio Global. Portos congestionados que afeta a rapidez na circulação dos containers disponíveis no...

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...

Polícia Militar realiza a operação “Grande ABC mais Seguro” na área do CPA-M6

Foi realizada em 27 de abril de 2021 uma grande Operação Policial na cidade de Santo André, área do 10ª Batalhão Metropolitano, com o...