23.3 C
Canoas
domingo, outubro 24, 2021

Porto de Rio Grande poderá receber os maiores navios do mundo

Must read

Renova Energia se reposiciona no mercado de geração e centralizará em negócios com as fontes eólica e solar

São Paulo, setembro de 2021 – A Renova Energia é uma das precursoras no Brasil da geração de energia renovável. A empresa foi...

Safra dos ventos contribui para manter abastecimento de energia do Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O segundo semestre do ano é considerado o período com os melhores ventos no Brasil e os...

Temor de racionamento de energia acelera investimentos na fonte eólica no Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O baixo nível dos reservatórios é o principal tema na pauta do setor de energia. Na prática,...

Geração renovável suporta a demanda de energia no Brasil

A previsão é que a eletricidade gerada pela força dos ventos alcance cerca de 20% de abastecimento da demanda no segundo semestre...

Investimento federal em obras foi de R$ 500 milhões

Leite disse que a atual gestão está comprometida a atender a uma histórica de investidores: tornar a dragagem do porto permanente

Depois de dois anos de obras de dragagem com investimento federal de R$ 500 milhões, o principal porto gaúcho poderá receber embarcações de até 366 metros de comprimento – tamanho dos maiores navios do mundo. Em cerimônia transmitida pelas redes sociais, com a presença do governador Eduardo Leite, do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e de outras autoridades em Porto Alegre, foi homologado o novo calado do porto de Rio Grande.

Graças à remoção de mais de 16 milhões de metros cúbicos de sedimentos, o calado operacional do chamado canal interno, onde estão os terminais portuários mais importantes e com o maior fluxo de cargas, passou de 12,8 para 15 metros. A profundidade, que era de 14,2, agora é de 16,5 metros. Com isso, a capacidade de movimentação passa a atender aos padrões internacionais de navegação, podendo receber embarcações de até 366 metros – uma diferença de 29 metros em relação à capacidade anterior, de 337 metros.

Leite disse que a atual gestão está comprometida a atender a uma histórica de investidores: tornar a dragagem do porto permanente. “Já estamos trabalhando para evitar que aconteça o assoreamento do canal, regredindo na capacidade de cargas, para então gastar centenas de milhões de reais para recuperar o calado. Estamos montando um termo de referência para que, no primeiro semestre do ano que vem, possamos começar a fazer um investimento de R$ 30 a R$ 40 milhões anuais em dragagem no porto, garantindo permanentemente as cargas dos navios que chegam e saem do nosso RS”, afirmou o governador.

Outra medida do governo estadual que está em andamento é a transformação da Superintendência dos Portos do Rio Grande do Sul de autarquia em uma empresa pública – a Portos RS, o que dará mais segurança jurídica e econômico-financeira aos empresários, mais eficiência aos investimentos e um planejamento de longo prazo, que não seja interrompido com a troca de gestores. Atualmente, passam pelos terminais privados que operam contêineres, graneis agrícolas, fertilizantes, cargas petrolíferas e petroquímicas no porto do Rio Grande mais de 25% do PIB do RS, o equivalente a mais de 40 milhões de toneladas por ano, sendo que a capacidade instalada é de 50 milhões.

Histórico do novo calado
O contrato original da dragagem foi assinado em julho de 2015 pela União e, a partir daí, mobilizou o governo do Estado, a então Secretaria dos Transportes e a antiga Superintendência do Porto do Rio Grande (SUPRG) para a obtenção da licença do Ibama. Um grupo de trabalho foi criado para atender os critérios técnicos e ambientais. O apoio da Marinha do Brasil foi fundamental ao longo do processo.

O consórcio vencedor da disputa para realizar o serviço foi formado pelas empresas Jan de Nul do Brasil e Dragabrás, que fecharam na época o acordo por R$ 368,6 milhões. Durante o processo, houve judicialização, e o período de obra parada gerou um aumento significativo no custo da obra. Ao final, com todos os aditivos realizados, totalizou R$ 500 milhões de recursos do governo federal.

A obra foi iniciada em agosto de 2018 e, desde então, foram removidos mais de 16 milhões de metros cúbicos de sedimentos do canal de acesso. A homologação do novo calado do porto gaúcho passou oficialmente de 12,8 metros para 15 metros – mais do que a previsão inicial, que era de 14 metros – nesta segunda-feira (26). Dessa forma, pode receber navios de maior porte e com maior capacidade do que os limites atuais. O novo calado vai permitir que navios cheguem e saiam com maior carregamento de carga, levando ao barateamento do frete e melhores condições para os contratos de seguro.

- Advertisement -

More articles

Latest article

Renova Energia se reposiciona no mercado de geração e centralizará em negócios com as fontes eólica e solar

São Paulo, setembro de 2021 – A Renova Energia é uma das precursoras no Brasil da geração de energia renovável. A empresa foi...

Safra dos ventos contribui para manter abastecimento de energia do Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O segundo semestre do ano é considerado o período com os melhores ventos no Brasil e os...

Temor de racionamento de energia acelera investimentos na fonte eólica no Brasil

São Paulo, setembro de 2021 – O baixo nível dos reservatórios é o principal tema na pauta do setor de energia. Na prática,...

Geração renovável suporta a demanda de energia no Brasil

A previsão é que a eletricidade gerada pela força dos ventos alcance cerca de 20% de abastecimento da demanda no segundo semestre...

Com propostas em mãos, ex-auxiliar do Real Madrid e ex-técnico do Flu está muito próximo de acertar com time brasileiro

O treinador fez grande trabalho no Palmeiras e chegou a ser auxiliar de Luxemburgo no Real Madrid De volta ao futebol brasileiro, o técnico Paulo Campos já...