16.2 C
Canoas
domingo, maio 16, 2021

Meio ambiente e causa animal são principais razões para jovens aderirem ao vegetarianismo, aponta pesquisa da PUC-RS

Must read

Quais são as razoes para a falta de Containers no transporte marítimo e qual a solução ? Comenta o CEO da GES Logistics Frederico...

Redução natural do numero de containers disponíveis com a diminuição do comercio Global. Portos congestionados que afeta a rapidez na circulação dos containers disponíveis no...

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...


Mais de 260 jovens de 18 a 24 anos foram ouvidos por estudo do 7º semestre do curso de Publicidade. Preocupações éticas despontam como motivos mais fortes do que o cuidado com a saúde. Grupo de estudantes da PUCRS realizou levantamento com mais de 260 jovens a respeito do vegetarianismo
Arquivo pessoal
A preocupação com o meio ambiente e com o bem estar animal estão por trás da decisão da maioria dos jovens que se tornaram vegetarianos, como aponta uma pesquisa realizada em uma disciplina do curso de Publicidade e Propaganda da PUC-RS, no primeiro semestre de 2020, e divulgado na semana passada pela universidade.
O estudo reuniu 261 jovens, de 18 a 24 anos, que participaram da fase quantitativa da pesquisa, dos quais 146 são vegetarianos e 115, não vegetarianos. Confira abaixo o detalhamento dos participantes.
Entre os que aderiram à dieta sem consumo de carne, 86,3% afirmaram ter tomado a decisão por preocupação com o meio ambiente, e 80,8% apresentaram como motivo a proteção aos animais.
Já preocupações com a saúde foram citadas por 33,5% dos participantes.
As entrevistas foram realizadas online pelas alunas Cristiane Andrade, Fernanda Koiky, Gabrielly Souza, Julia Rocha, Laura Giordani e Maria Luiza Olsson, do sétimo semestre do curso.
“A gente nota o mercado mudando e tentando se adaptar, novas marcas surgindo pra tentar acompanhar esse público, e marcas consolidadas tendo que repensar os produtos e criar novas linhas”, avalia Fernanda, de 20 anos, que se tornou vegetariana no ano passado. “Isso é muito bacana, e nos motivou a entender como é esse consumidor jovem que está descobrindo uma forma mais responsável, não só de alimentação, mas de consumo”, completa.
Fernanda é um exemplo do dado apresentado pela pesquisa. “Lá pelo ensino médio comecei a ter mais acesso a esse tipo de informação. Alguns professores me mostraram documentários [sobre o impacto da indústria da carne no meio ambiente], e isso tem me incomodado um pouco”, conta.
“Minha questão com o vegetarianismo nunca foi relacionado à saúde, o que me incomodava era a problemática da indústria mesmo, a crueldade com animais”, comenta Fernanda.
Pesquisa foi respondida por 261 pessoas de 18 a 24 anos de Porto Alegre e Região Metropolitana
Reprodução
Influência da família
A pesquisa mostrou ainda que 60,87% dos respondentes, tanto entre os que são quanto os que não são vegetarianos, afirmam que o consumo de carne pela família é um empecilho para manter ou aderir à dieta.
“Recebemos muitas respostas que nos mostraram que é muito difícil mudar a alimentação quando se convive com outras pessoas que já têm uma rotina alimentar. E aqui, no Sul, isso se agrava bastante, por causa do costume do churrasco de domingo. É uma tradição que junta as duas coisas”, diz a estudant.
O professor e orientador da pesquisa, Ilton Teitelbaum, diz que uma tendência comportamental de desconstrução e ressignificação da alimentação pode ser observada.
“Um dos pontos que a gente vem notando é a desconstrução de aspectos que antes eram dogmáticos. Muita coisa foi ‘desdogmatizada’. Acho que o próprio paladar passa por essa ressignificação, essa é a questão chave da história”, afirma.
A defesa de uma causa se alia a esse movimento, comenta o professor. “Muitos alunos pararam de comer carne após vídeos de abatedouro”, menciona.
O professor ainda observa que, mesmo entre jovens que não adotam a dieta vegetariana, a redução do consumo de proteína animal é “um caminho sem volta”, e não tende a ser algo passageiro.
“Ainda tem aspectos culturais que vão manter a carne na vida das pessoas”, diz, citando a presença dos churrascos na cultura gaúcha.
Importância do acompanhamento nutricional
Nos consultórios de nutricionistas, a presença de jovens buscando aderir a uma dieta com restrições à carne vem crescendo, como observa o professor do curso de Nutrição da PUC-RS, Giuseppe Potrick Stefani.
O desafio é fazer a transição da dieta com carne para a sem carne evitando o exagero de produtos industrializados e incentivando que o jovem prepare as próprias refeições. “Sinto mais dificuldade de levá-los para a cozinha. O bom vegetariano é aquele que manipula os seus alimentos”, reflete.
A participação dos pais é determinante nesses momentos. “Muitos têm bloqueio, preguiça, ausência de estímulos dos pais, que às vezes não conhecem as opções”, diz o professor.
E o acompanhamento de um profissional é crucial para garantir que a supressão do consumo de proteína seja substituída por outros nutrientes.
Esses casos o professor batizou de “vegetarianos batata frita”, quando a pessoa deixa de comer carne, mas aumenta o consumo de produtos de baixo valor nutricional.
“Primeiro aspecto é o cansaço. A gente usa reservas de vitaminas e minerais. Essas reservas começam a se exaurir. Falta de vitamina D mais deficiências do estoque de ferro pode ser início de uma anemia”, alerta.
Veja mais destaques do G1 RS

- Advertisement -

More articles

Latest article

Quais são as razoes para a falta de Containers no transporte marítimo e qual a solução ? Comenta o CEO da GES Logistics Frederico...

Redução natural do numero de containers disponíveis com a diminuição do comercio Global. Portos congestionados que afeta a rapidez na circulação dos containers disponíveis no...

Frederico Sanchez Resende diz que Subestação Ipê, em Goiás, beneficiará 84 mil moradores com fornecimento de energia

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) apontam que o fornecimento de energia elétrica é um problema comum em todo o Brasil,...

Frederico Sanchez Resende: Pandemia trouxe grandes desafios para empresas de logística

Não somente a vida das pessoas está sendo impactada pela pandemia do novo Coronavírus. Os setores da economia, incluindo o segmento de logística e...

Hiperleds: a maior fábrica de luminárias com mais de 800 itens no catálogo Completo

Há dez anos no mercado e com mais de oitocentos itens no catálogo, a Hiperleds é uma empresa que estar presente com atendimento para...

Polícia Militar realiza a operação “Grande ABC mais Seguro” na área do CPA-M6

Foi realizada em 27 de abril de 2021 uma grande Operação Policial na cidade de Santo André, área do 10ª Batalhão Metropolitano, com o...