17.2 C
Canoas
quinta-feira, maio 26, 2022

Conselho rejeita parcela extra do seguro-desemprego para quem foi demitido na pandemia

Must read

ANS autoriza reajuste máximo de 15,5% em planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou um reajuste de até 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares regulamentados. O anuncio...

STJ: Atentado de menor contra os pais é causa de exclusão da herança

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a 3ª turma do STJ confirmou...

O conselho de Bill Gates

Ao ser questionado por um jovem sobre o que fazer para causar um impacto positivo no mundo, o bilionário Bill Gates respondeu: “Leia um...

Bolsonaro sanciona, com vetos, prorrogação do Pronampe até fim de 2024

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, com um veto, o projeto que altera as regras do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de...

Trabalhadores demitidos entre 20 de março e 31 de julho deste ano, no ápice da pandemia do novo coronavírus, não terão direito a parcelas extras do seguro-desemprego. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (4) pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

A proposta era defendida pelos representantes dos trabalhadores no conselho. Segundo o Ministério da Economia, essas parcelas extras custariam R$ 7,3 bilhões ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A ideia, diz o governo, tinha “problemas jurídicos incontornáveis”.

A proposta foi rejeitada por 12 votos a 6. O Codefat é formado por 18 integrantes, sendo 6 do governo, 6 dos empregadores e 6 dos empregados.

Pedidos de seguro-desemprego subiram 13,4% até dia 15 de julho; relembre balanço

Pedidos de seguro-desemprego subiram 13,4% até dia 15 de julho; relembre balanço

De acordo com a Economia, a legislação brasileira só permite criar “grupos específicos” com regras diferenciadas para o recebimento do seguro-desemprego se o critério for geográfico, ou por categoria profissional. A proposta de parcelas extras aos demitidos na pandemia não se encaixava na regra.

Ainda segundo o ministério, um levantamento realizado da Secretaria do Trabalho mostrou que das pessoas demitidas entre o dia 20 de março e 31 de julho, apenas cerca de 140 mil pessoas (6,55% do total) não foram cobertas pelo seguro-desemprego.

Esse grupo, diz o Ministério da Economia, não recebeu seguro-desemprego porque não tinha cumprido o tempo mínimo de permanência no posto de trabalho. Dos 140 mil, 123 mil se cadastraram no auxílio emergencial e metade recebeu o benefício, ainda segundo dados do ministério.

- Advertisement -

More articles

Latest article

ANS autoriza reajuste máximo de 15,5% em planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou um reajuste de até 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares regulamentados. O anuncio...

STJ: Atentado de menor contra os pais é causa de exclusão da herança

Ao rejeitar o recurso especial de um homem que matou os pais quando tinha 17 anos de idade, a 3ª turma do STJ confirmou...

O conselho de Bill Gates

Ao ser questionado por um jovem sobre o que fazer para causar um impacto positivo no mundo, o bilionário Bill Gates respondeu: “Leia um...

Bolsonaro sanciona, com vetos, prorrogação do Pronampe até fim de 2024

O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, com um veto, o projeto que altera as regras do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de...

STJ: Arma branca pode fundamentar majoração da pena-base

Colegiado determinou que, embora não configure mais causa de aumento para o crime de roubo, o emprego de arma branca poderá ser...